Sugestões de Leitura > Aogashima







Quando alguém fala do Japão, a primeira imagem que vem à cabeça são os personagens multicoloridos de mangá, as luzes de neon piscante do centro de Tóquio, as ruas lotadas de pedestres. O caos, em suma. Mas tem um local que contraria esse estereótipo de falta de espaço e muita correria. A paradisíaca e surreal ilha de Aogashima: um imenso vulcão com um vilarejo e outro vulcão menor dentro. Tudo isso jogado na imensidão do Oceano Pacífico. 
No melhor estilo “Inception”, a ilha já é um vulcão em si e aquela montanha verde ali no meio é o vulcão menor. A última erupção aconteceu faz tempo, foi em 1785, mas os estragos não foram sutis: foram 4 anos de atividade intensa do vulcão, culminando com a morte de cerca de 130 pessoas (quase metade da população local na época). Uma das coisas mais interessantes a respeito da ilha é que, mesmo estando a 350 quilômetros ao sul de Tóquio, é a capital japonesa que administra o local.
Não há muitos detalhes sobre como a ilha começou a ser povoada, mas registros históricos indicam que desde o século XVII já tinha gente por lá. A ilha tem 8,75 km² de área e uma população local de 200 pessoas. Se você cogita passar o réveillon em um vilarejo japonês que, ao mesmo tempo, está ao redor e dentro de um vulcão, é bom saber que as únicas maneiras de entrar em Aogashima são de barco e helicóptero. A queima de fogos deve ser humilde, mas, mesmo sem Instagram, não deve ser difícil passar por fotógrafo profissional em um lugar desses.



0 Responses

Postar um comentário