Sugestões de Leitura > Viagens de Descobrimento





Como era uma viagem marítima no tempo dos descobrimentos?

Extremamente desconfortável, insalubre e perigosa. Em média, a cada três navios que partiam de Portugal nos séculos 16 e 17, um afundava. Cerca de 40% da tripulação morria nas viagens, vítimas não só de naufrágios, mas também de ataques piratas, doenças e choques com nativos dos locais visitados. Quem sobrevivia ainda tinha que agüentar o insuportável mau cheiro a bordo e as acomodações precárias. "Nas cobertas inferiores (onde as pessoas dormiam), o ar e a luz eram escassos, sendo fornecidos apenas por fendas entre as madeiras, que deixavam passar também a água do mar, tornando os porões abafados, quentes e úmidos", diz o historiador Fábio Pestana Ramos, da Universidade Bandeirante de São Paulo (Uniban). Se o alojamento era ruim, a dieta era pior ainda. As caravelas nunca levavam a quantidade ideal de comida, o que estimulava um mercado negro a bordo. Os oficiais mais graduados controlavam o negócio, vendendo produtos, como frutas, por exemplo, a quem pagasse mais.

Quem não tinha dinheiro e via os alimentos se esgotarem caçava ratos e baratas, que infestavam os navios, para sobreviver. Nesse ambiente de luta pela sobrevivência, os motins se tornavam comuns e eram reprimidos com brutalidade pelos oficiais, que andavam com espada, adaga e pistolas. A falta de segurança ainda era agravada pela má conservação dos barcos, que em muitas ocasiões tinham cascos apodrecidos e velas desgastadas. Mesmo com tantos problemas essas embarcações valiam fortunas. "Em meados do século 16, uma caravela aparelhada para 120 tripulantes custava em torno de 75 quilos de ouro, o equivalente à compra de 758 mil escravos africanos", afirma Fábio. A caravela se tornou o mais famoso tipo de navio usado nas jornadas dos descobrimentos, mas havia também a nau, embarcação mais lenta, mas que possuía maior capacidade de carga e podia levar um número maior de canhões e tripulantes.

Mergulhe nessa

Na livraria:

Naufrágios e Obstáculos Enfrentados pelas Armadas da Índia Portuguesa: 1497-165, Fábio Pestana Ramos, Editora Humanitas, 2000

Brasil: Terra à Vista!, Eduardo Bueno, L&PM Editores, 2000

Pesadelo em alto-mar Numa nau do século 16, cerca de 500 pessoas conviviam sem banheiro, havia estupros e crianças dormiam no convés

1. Camarote VIP

Em geral, o espaço para acomodar tripulantes e passageiros numa nau era de apenas 50 cm2 por pessoa! Já o capitão do navio normalmente tinha direito a um camarote individual, com 2,2 m2. Oficiais e membros da alta nobreza não tinham esse privilégio, embora pudessem contar com um espaço maior que os apertadíssimos 50 cm2

2. Muvuca infernal

Uma nau comportava cerca de 500 pessoas. Tripulantes e passageiros dormiam no mesmo espaço, em estreitos beliches com até quatro andares. Pior viagem faziam os grumetes, crianças entre 7 e 16 anos que formavam o grosso da tripulação. Alistados à força pelos pais (por causa dos salários), os aprendizes de marinheiros dormiam no convés

3. Banheiro perigoso

A higiene a bordo era bastante precária. Banho, nem pensar, o que fazia proliferar pulgas, piolhos e percevejos. Os mais ricos usavam penicos, esvaziados no mar por criados. A maioria dos homens e mulheres, porém, tinha que se aliviar à vista de todos, debruçando-se no costado da embarcação, com risco até de cair no mar

4. Saúde à deriva

Ter um médico a bordo era raridade e os doentes eram tratados no improviso — principalmente com sangrias, que podiam transformar uma indisposição em anemia mortal. A falta de vitamina C na alimentação provocava escorbuto, doença que apodrecia as gengivas e fazia cair os dentes. Era comum a disenteria, a febre tifóide e a varíola

5. Para passar o tempo

A lotação do barco, as suas más condições e o excesso de tempo livre faziam surgir tensões entre os viajantes. Para aliviá-las, os oficiais organizavam, com a ajuda de religiosos, missas, procissões e encenações de peças contando a vida dos santos. Mas a distração predileta dos marujos era mesmo um bom jogo de cartas a dinheiro

6. Sexo forçado

Havia uma proporção média de uma mulher para cada 50 homens numa embarcação. Grupos de marinheiros ficavam à espreita e, quando surgia uma oportunidade, podiam estuprar algumas mulheres, mesmo as casadas. Às vezes, prostitutas embarcavam, mesmo assim o homossexualismo costumava ser freqüente entre os marujos

7. Saber é poder

Instalado numa cadeira na popa (parte de trás do navio), o piloto era quem realmente comandava a embarcação e sua autoridade técnica não era contestada nem pelo capitão, que tinha um comando mais político da tripulação. O piloto trabalhava ao lado do timoneiro, fazendo cálculos de navegação com instrumentos como astrolábios e bússolas primitivas

8. Dieta restrita

A quantidade de comida era reduzida e a dieta pobre em vitaminas. Um cozinheiro fazia pão e preparava a carne salgada, servida esporadicamente. As provisões incluíam biscoitos, bacalhau, lentilha, alho, cebola, açúcar, farinha, água (muitas vezes contaminada) e vinho. Para garantir algo fresco, eram levados uns poucos animais vivos, em geral galinhas.
por Roberto Navarro
0 Responses

Postar um comentário