Os Bandeirantes





Lembram-se que estudamos sobre a expansão norte-americana para o Oeste?  Aqui está algo interessante sobre os Bandeirantes e como foi a conquista do território brasileiro...


Bandeirantes

Heróis ou vilões? A construção do mito

Durante muito tempo, os bandeirantes foram encarados como "heróis". Eles teriam sido os desbravadores que contribuíram para a construção de nosso país, expandindo nossas fronteiras.

Essa imagem heróica acabou dando lugar a outra, oposta: os bandeirantes teriam sido bandidos cruéis e sanguinários, que saqueavam aldeias indígenas, matando crianças, violentando mulheres e escravizando os índios.

Em nossos livros didáticos o bandeirante foi retratado dessas duas formas: ora herói, ora vilão. Ambas as imagens exageram aspectos verdadeiros da vida dos bandeirantes e ignoram outros.

Figuras polêmicas

Os bandeirantes estão entre as figuras mais polêmicas da história do Brasil. A confusão se dá entre a história dos bandeirantes propriamente dita e a construção da memória em torno deles.

A imagem que bandeirantes que há os traz calçados com botas de montar, vestidos com calções de veludo e casacas de couro almofadado. É desse modo que eles aparecem em pinturas, ilustrações de livros e até em estátuas.

A pesquisa histórica revela uma realidade bastante diferente: a maioria dos bandeirantes andava descalça e com roupas muito simples. Na verdade, todas as imagens que vemos dos bandeirantes foram feitas muito tempo depois da época em que eles viveram.

Expedições que geralmente partiam de São Paulo e eram organizadas com o fim de capturar índios e encontrar ouro e pedras preciosas, as bandeiras existiram do século 16 ao 18, enquanto as pinturas mais antigas sobre o tema foram feitas a partir do século 19, sob a ótica idealizadora do Romantismo.

A construção do mito

Outro fator que contribuiu para o mito do herói bandeirante foi a própria transformação de São Paulo em uma metrópole, que ocorreu muito tempo depois da época dos bandeirantes. No período colonial, São Paulo não passava de um povoado isolado com pouco mais de mil habitantes.

O crescimento da economia cafeeira contribuiu para que São Paulo crescesse. A região ganhou a fama de "terra do trabalho", de lugar em progresso. As elites paulistas resolveram difundir uma história idealizada, segundo a qual, as raízes desse progresso já existiam na época dos bandeirantes. Os membros da aristocracia do café seriam os descendentes diretos dos "heróicos bandeirantes".

Os paulistas, especialmente os membros da elite, traziam "no sangue" a herança dos bandeirantes, homens valentes que não tinham medo de desafios, o que explicaria porque os paulistas eram trabalhadores dedicados e incansáveis.

Repare que esse regionalismo está carregado de preconceito em relação aos habitantes de outras partes do Brasil: São Paulo seria uma exceção, terra de riqueza e progresso num país de miséria e atraso; o paulista leva o trabalho a sério enquanto os brasileiros de outros lugares seriam "preguiçosos".

O papel da literatura na mitificação da história

A ficção literária também contribuiu muito para a difusão do mito dos "heróis bandeirantes". Entre essas obras podemos destacar "A Bandeira de Fernão Dias", romance publicado pela primeira vez em 1928.

Seu autor, Paulo Setúbal, se especializou em romances históricos e costumava enfatizar que suas obras baseavam-se em documentação histórica, o que supostamente conferia veracidade aos seus relatos.

Outra importante contribuição foi a dada pelo escritor e desenhista Belmonte, pseudônimo de Benedito Bastos Barreto (1896-1947), que em 1940 lançou um livro escrito e ilustrado por ele: "No Tempo dos Bandeirantes". As ilustrações desse livro mostravam os bandeirantes vestidos de maneira elegante,com barba, chapelão de abas largas, botas e portando mosquetes.

Belmonte foi um artista importante, conhecido pelas suas brilhantes charges contra o nazismo que criou durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e pelas ilustrações que produziu para as primeiras edições da famosa série de livros infantis de Monteiro Lobato, "O Sitio do Pica-pau Amarelo".

No entanto, como historiador, seu trabalho pecava por apresentar a ficção como verdade histórica. Belmonte queria que os paulistas se orgulhassem do seu passado. Isso se explica pelo fato de que Belmonte era um regionalista fervoroso, que amava São Paulo e chegava a escrever cartas aos jornais criticando o estado de abandono dos monumentos históricos.

Ao contrário da ficção

Mesmo não sendo fiéis à realidade histórica, os bandeirantes desenhados por Belmonte serviram de modelo para livros didáticos durante décadas. Serviram de modelo até para o monumento a Borba Gato, obra do escultor Júlio Guerra. Esse monumento encontra-se na entrada de Santo Amaro, bairro da cidade de São Paulo, onde o escultor Júlio Guerra, autor da obra, nasceu.

Será que o verdadeiro Borba Gato, que viveu de 1628 a 1717, era mesmo merecedor de um monumento em sua homenagem? Durante vinte anos Borba Gato foi procurado pelo assassinato de dom Rodrigo Castelo Branco, então Administrador-Geral das Minas Gerais.

Uma das razões do crime teria sido a descoberta de ouro durante uma expedição. No entanto, quando foram descobertas as principais jazidas de ouro, a Coroa portuguesa perdoou Borba Gato em troca dos conhecimentos que o bandeirante tinha da região.

Outro bandeirante bastante homenageado pela memória oficial é Fernão Dias, cujo nome foi dado à estrada que liga São Paulo a Minas Gerais. Como vimos, Fernão Dias serviu de inspiração para um livro do romancista Paulo Setúbal. Outra obra inspirada na vida de Fernão Dias é o poema "O Caçador de Esmeraldas", de autoria do poeta Olavo Bilac.

O título do poema foi inspirado no fato de que Fernão Dias morreu acreditando que as pedras verdes sem valor que havia encontrado no sertão mineiro eram esmeraldas valiosas.

Na vida real, o "caçador de esmeraldas" foi responsável pela captura e venda de vários indígenas. Ele liderou um ataque à serra de Apucarana, localizada onde hoje é o estado do Paraná, que resultou na captura de cerca de cinco mil indígenas.

O negócio do sertão

A captura de indígenas para serem vendidos como escravos foi a base da economia paulista até o século 17. Naquela época, essa prática era tão lucrativa que era chamada de "negócio do sertão". Uma das razões para essa lucratividade foi o aumento da demanda por escravos indígenas para compensar a falta de escravos africanos no Rio de Janeiro e na Bahia durante o domínio holandês em Pernambuco.

Durante esse período os holandeses passaram a controlar o tráfico de escravos trazidos da África, o que dificultava a importação de escravos na América portuguesa. A solução encontrada pelos senhores de escravos no Rio de Janeiro e na Bahia foi comprar índios capturados pelos bandeirantes.

No entanto, a maioria dos indígenas capturados pelos bandeirantes foi vendida para fazendas de trigo paulistas. Segundo o historiador John Manuel Monteiro, autor do livro "Negros da Terra: Índios e Bandeirantes nas Origens de São Paulo", essas fazendas conheceram o seu auge no período que vai de 1630 a 1680, quando algumas delas tinham mais de cem escravos índios.

Seja em busca de ouro e outras pedras preciosas, seja em busca de índios para aprisionar e vender, os bandeirantes enfrentavam uma série de perigos e desconfortos: ataques de onças; picadas de cobras, aranhas e insetos; doenças; sem falar na própria resistência oferecida pelos indígenas...

A língua tupi

Curiosamente, as expedições organizadas com o intuito de capturar índios também contavam com a participação de outros índios, que eram usados como guias e em outras tarefas, e de vários mestiços, filhos de homens brancos com mulheres indígenas. Na São Paulo daquela época a influência da cultura indígena era tão grande que o tupi era mais falado que o próprio português.

Outro fator que incentivou o aumento da captura de índios foi a própria pobreza em que vivia a maioria dos paulistas. A falta de perspectiva levou vários paulistas a acreditarem que a única forma de saírem da miséria era capturar índios para vender como escravos.

Essa razão não diminui em nada a violência que era praticada contra os indígenas, mas torna a situação mais compreensível e mostra o quanto a realidade daquela época era mais complexa do que se imagina.

Fonte: UOL Educação > Autor: Túlio Vilela, formado em história pela USP, é professor da rede pública do Estado de São Paulo e um dos autores de "Como Usar as Histórias em Quadrinhos na Sala de Aula" (Editora Contexto).
Bandeirantes expandiram limites do Brasil

Foi a partir do século 17 que as terras do interior do Brasil passaram a ser rotineiramente exploradas. O desbravamento e povoação dessas terras foram iniciados por expedições pioneiras chamadas de Entradas e Bandeiras. As Entradas geralmente eram expedições oficiais, ou seja, foram organizadas pelo governo da autoridade colonial. Já as Bandeiras tinham motivação particular, isto é, eram organizadas por colonos que se estabeleceram nos povoados.

Os historiadores ainda hoje debatem sobre a caracterização dos dois tipos de expedições, mas ainda assim aceitam a diferenciação mencionada acima. O mais importante é entender os fatores que ocasionaram a criação das Entradas e das Bandeiras e as mudanças que essas expedições provocaram no processo de colonização do Brasil.

Riquezas e escravos

As Entradas e Bandeiras foram expedições organizadas para explorar o interior com o propósito de procurar riquezas minerais, tais como ouro, prata e pedras preciosas. Objetivavam também caçar e apresar índios para escravizá-los. Não era uma tarefa fácil organizá-las, e muito menos explorar o interior do território colonial. Havia a necessidade do preparo de muitas provisões, como alimentos, armas e instrumentos, que deviam ser transportados por animais e pelos próprios exploradores.

Outra tarefa difícil era reunir homens que estivessem dispostos a penetrar mata adentro e permanecer muitos meses no interior, sem a certeza de que retornariam com vida para seus povoados e do êxito que teriam na descoberta de riquezas ou no enfrentamento e apresamento dos índios.

As Entradas tiveram início logo após a descoberta do Brasil. Em 1504, Américo Vespúcio organizou uma Entrada composta por trinta homens que partiu de Cabo Frio e penetrou no sertão. Martim Afonso de Souza organizou duas Entradas. A primeira foi composta por quatro homens, saiu da Guanabara e permaneceu no interior por cerca de dois meses. A segunda foi composta por cerca de 80 homens e chefiada por Pedro Lobo. Saiu da ilha de Cananéia (no atual estado de São Paulo) e jamais retornou. Após o estabelecimento do Governo-Geral, as Entradas passaram a ser organizadas com maior freqüência, mas restringiram-se a explorar o interior da Bahia e de Minas Gerais.

São Vicente e São Paulo

As Entradas declinaram no início do século 17. As Bandeiras surgiram no início do desse mesmo século e se estenderam por todo o século seguinte. Foi na vila de São Vicente que surgiram as primeiras Bandeiras. O solo dessa região, impróprio para o plantio da cana-de-açúcar, ocasionou o rápido declínio da produção açucareira levando a estagnação econômica dos povoados. Os habitantes da região tiveram que encontrar outra atividade econômica para sobreviver. A alternativa foi a organização das expedições desbravadoras.

A vila de São Paulo também ficou famosa pela organização de expedições bandeirantes. As Bandeiras organizadas pelos habitantes de ambas as vilas dedicaram-se, inicialmente, à caça e apresamento de índios para vendê-los como mão-de-obra escrava aos engenhos produtores de açúcar, situados nos ricos solos do Nordeste brasileiro. Seus alvos principais eram as missões jesuíticas que concentravam grande número de índios em fazendas, para serem pacificados e depois catequizados pelos religiosos da Companhia de Jesus.

O colégio de Piratininga

Foram os jesuítas, liderados pelo padre Nóbrega, que se estabeleceram na região de Piratininga, fundando um pequeno povoado que cresceu e deu origem a vila de São Paulo. Tudo começou com a construção de um colégio e uma casa, que eram locais para catequese dos índios. Com o surgimento das Bandeiras e das atividades de caça e apresamento dos índios, os jesuítas entraram em conflito com os bandeirantes. Na década de 1640, os bandeirantes expulsaram os jesuítas de São Paulo. Muitas missões jesuíticas, além das que se fixaram em Piratininga, foram destruídas pelos bandeirantes.

Com a substituição do índio pelo negro africano no trabalho escravo da grande lavoura, o ciclo do bandeirismo de caça e apresamento dos nativos declinou. Os bandeirantes passaram, então, a se concentrar na exploração de riquezas minerais. As Bandeiras organizadas pelos habitantes da vila de São Vicente começaram a procura de ouro nos leitos dos rios da região e foram percorrendo a zona litorânea.

As Bandeiras organizadas pelos habitantes de São Paulo, com o mesmo propósito, foram motivadas a penetrar no sertão brasileiro, favorecidas pela situação geográfica da vila e pelo curso dos rios da região, que facilitavam a exploração do interior. Mas é importante assinalar que a caça e apresamento de índios não parou por completo, os próprios bandeirantes passaram a utilizar a mão-de-obra indígena para trabalharem nas pequenas lavouras de subsistência e até nas próprias expedições de exploração.

Povoamento e expansão territorial

As expedições bandeirantes tiveram importância crucial para o povoamento, diversificação das atividades econômicas e expansão territorial do Brasil colonial. Ao longo das trilhas percorridas e dos caminhos abertos pelos bandeirantes foram surgindo diversos povoados. As Bandeiras que percorreram o litoral à procura de ouro, partindo de São Vicente, deram origem às vilas de Itanhaém, Iguape, Paranaguá, Laguna e Desterro, entre outras. A penetração no sertão deu origem a vilas e arraiais como Cuiabá, Vila Rica, Diamantina, Sabará e Mariana, entre outras.

As expedições bandeirantes também possibilitaram a descoberta de riquezas minerais como ouro, prata e diamante, metais preciosos que deram origem a um novo ciclo econômico de exploração colonial. O êxito dos bandeirantes, principalmente na descoberta de metais preciosos, fez com que a Coroa portuguesa passasse a financiar muitas expedições com o objetivo de encontrar essas riquezas minerais e explorá-la como alternativa a crise econômica provocada pelo declínio da produção do açúcar.

Enquanto as Entradas respeitavam os limites territoriais fixado pelo Tratado das Tordesilhas, que dividia as terras do continente americano entre Portugal e Espanha, as Bandeiras geralmente ultrapassavam essa fronteira, em direção às regiões Sul, Norte e Centro Oeste. Entre 1580 e 1640, Portugal ficou sob domínio Espanhol. Durante esse período, também conhecido como a união das Coroas ibéricas, a Espanha governou Portugal e todos os seus domínios. Nessa época, os bandeirantes não encontraram resistências quanto a ultrapassar Tordesilhas. Quando Portugal se libertou do jugo espanhol o território colonial brasileiro havia se ampliado significativamente.

Mitos e monumentos

As Bandeiras deram origem a narrativas épicas, mitos e lendas sobre o desbravamento e conquista do sertão brasileiro, que hoje fazem parte do simbolismo regional. Embora tenham sido responsáveis pela escravização e dizimação de inúmeras etnias indígenas e pela destruição de muitas missões jesuíticas, os bandeirantes são retratados como homens heróicos, portadores de coragem, bravura e espírito aventureiro, que penetraram na mata e desbravaram a vastidão do interior até então desconhecido, enfrentaram e dominaram índios, descobriram e exploraram riquezas minerais e fundaram povoados.

Na capital paulista, outrora vila e centro irradiador das expedições bandeirantes, ergueu-se o Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret, um dos mais importantes escultores brasileiros. E bandeirantes famosos como Bartolomeu Bueno da Silva (conhecido como Anhangüera), Antônio Raposo Tavares e Fernão Dias Pais, foram homenageados tendo seus nomes dados a importantes rodovias que percorrem o interior do Estado de São Paulo.
Fonte: UOL Educação > Autor: Renato Cancian é cientista social, mestre em sociologia-política e doutorando em ciências sociais, é autor do livro "Comissão Justiça e Paz de São Paulo: Gênese e Atuação Política -1972-1985" (Edufscar).
0 Responses

Postar um comentário