Foto do Dia 01 Jul







As Cataratas do Iguaçu, na fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai, são provavelmente as mais fortes e belas quedas d’água do mundo. Mas elas não reinam sozinhas. Em dois lugares muito distantes, duas formações irmãs rivalizam em beleza e poder: as Cataratas do Niágara e as Cataratas de Vitória. As Cataratas do Niágara ficam na fronteira entre os Estados Unidos e o Canadá, na região dos Grandes Lagos. São as menores das três grandes cataratas do mundo, mas por outro lado são as de mais fácil observação. O Niágara é um rio curto, de apenas 40 quilômetros de comprimento. Ele nasce e deságua em dois lagos, o Erie e o Ontário. Nesse pequeno caminho, o rio corre cada vez mais para baixo e cai em um buraco de 300 metros de largura.

As cachoeiras do Niágara têm apenas 60 metros de altura. Os botes de quem visita essas Cataratas navegam no largo espaço de águas tranquilas, quase no pé das quedas.

Já as Cataratas de Vitória moram em uma paisagem muito mais escondida. As quedas ficam no sul da África, no interior do continente, próximas à fronteira entre a Zâmbia e o Zimbábue. A divisão entre os dois países é feita pelo rio Zambeze. Entre sua nascente, na República do Congo, e sua foz, no Oceano Índico, o rio atravessa mais dois países africanos, Angola e Moçambique, e cai no grande degrau de 108 metros que forma as Cataratas de Vitória. O rio despenca entre duas montanhas rochosas. É pequena a distância entre elas: são apenas 75 metros entre dois paredões de pedra, uma fenda comprida e estreita para as cinco grandes colunas de água do Zambeze.

As Cataratas de Vitória são um lugar selvagem em que os barcos não chegam, pois é perigoso que sejam arremessados contra as pedras das montanhas. Depois da queda, o rio segue seu curso entre as florestas tropicais da África até chegar ao oceano. As três maiores cataratas do mundo estão em regiões de fronteira, separando dois ou mais países, como um limite à aproximação humana. A força das águas que se jogam faz os homens lembrarem que não se brinca com a natureza. Basta admirá-la.
0 Responses

Postar um comentário