A Telebrás


"Existe um Brasil que não consegue assistir a vídeos no YouTube. Que não tem perfil no Facebook, não acompanha a dinâmica do Twitter nem sonha em entrar no Google Wave. Entra no MSN, mas precisa de nove horas para fazer o download do programa – isso quando a conexão não cai. É o Brasil desconectado – ou 94,2% do nosso País. O Banco Mundial já avisou: cada vez que as conexões rápidas aumentam em 10%, o PIB de um país cresce 1,3%. Estamos longe disso: hoje a internet banda larga no País chega a 5,8% da população."

Jornal Estadão

Mas está vindo novidade por aí. Leiam, abaixo:

O Brasil investirá cerca de R$ 13 bilhões em banda larga até 2014, sob gestão da Telebrás ( estatal na área de telecomunicações ).
Abaixo, podemos ver alguns incentivos que serão oferecidos para que haja melhorias no serviço de conexão rápida à internet:

1. Isenção de PIS/Cofins para modems de acesso à internet;
2. Desoneração de R$ 11,36 milhões de cobrança do Fust. Para quem não sabe, Fust significa Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações;
3. Isenção de IPI para equipamentos de telecomunicações com tecnologia nacional;
4. R$ 1,75 bilhão para pesquisas e desenvolvimento teconológico.

O governo pretende, até 2014, conectar 40 milhões de domicílios à internet banda larga por um preço módico entre R$ 35,00 ( para conexões de 512 a 784 kbps ) e R$ 15,00 até 512 kbps ( com limitação para download ).


Nosso debate: A Telebrás sempre deixou a desejar como empresa estatal. Em 11 anos fora das mãos da estatal, o Brasil passou de 24,5 milhões de linhas para os atuais 212 milhões. Não está com ar de que o objetivo do projeto de reativação da Telebrás é o aparelhamento do Estado em ano eleitoral? Será que o Brasil precisa de uma estatal para operar serviços de banda larga no Brasil? Não seria melhor que o governo deixasse de tributar os 43% de impostos sobre as telecomunicações...?








0 Responses

Postar um comentário